Slider[Style1]

Style10

impostometro de Petrolina

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Publicidade

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Esta foi a maior apreensão de armas realizada pelo Denarc desde a sua criação, em 2008 (Foto: Henrique Zuba / TV Globo)



Um médico de idade não informada foi preso na quarta-feira (26) suspeito de ligação com um grupo de assaltantes de banco em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Civil, ele foi encontrado em casa. O homem já havia sido preso em 2015 por suspeita de ser um dos donos de um arsenal com 65 armas de fogo e 20 mil munições.

Ainda segundo a polícia, o médico que era conhecido como 'senhor das armas' prestava atendimento aos integrantes do grupo criminoso sem comunicar ao Estado, o que é crime. Ele foi um dos suspeitos investigados na Operação Capitania, que foi deflagrada em maio deste ano com o objetivo de buscar suspeitos de roubo e comércio ilegal de arma de fogo.

Após ser detido em casa, o médico foi levado para a Delegacia de Polícia Civil e, em seguida, encaminhado ao Centro de Triagem e Observação (Cotel), em Abreu e Lima, Região Metropolitana, onde ficará à disposição da Justiça.

Preso com arsenal

O médico pernambucano foi preso com o material em 2015 após investigações do Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc), que acreditava que as armas seriam fornecidas para quadrilhas do Recife.

O homem se entregou à polícia após ver a foto dele em jornais, segundo relatou à Polícia Militar. Ele se entregou no Quartel do Comando Geral, no bairro do Derby, região central do Recife e, ainda de acordo com a autoridade policial, informou que desconhecia as armas.

Entre o material apreendido estavam 31 espingardas calibre 12, dois fuzis, uma submetralhadora e uma pistola. Parte das armas é de uso restrito das Forças Armadas e seria vendida a assaltantes de bancos e carros-fortes, conforme as investigações. Também foram apreendidas dezenas de facões e munições para diversos tipos de revólveres.

Operação Capitania

Uma operação da Polícia Civil, denominada "Capitania" foi deflagrada em maio deste ano e buscou suspeitos de roubo e comércio ilegal de arma de fogo. A ação visa cumpriu 15 mandados de prisão preventiva, 16 de busca e apreensão e um de condução coercitiva em Caruaru, Santa Cruz do Capibaribe, Orobó, Bom Jardim e Palmares, em Pernambuco, e Alcantil, na Paraíba.

De acordo com a Polícia Civil, o grupo criminoso é suspeito de roubar instituições financeiras e carros-fortes com o uso de explosivos. Os crimes foram cometidos nos estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas e Ceará.

O líder do grupo foi preso em Santa Cruz do Capibaribe. Ele tem 27 anos e é da Paraíba. Segundo a polícia, ele tem uma vasta ficha de antecedentes criminais. As informações são do G1 Caruaru.

Sobre montieur monteiro

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

Recomendados Para Você