Slider[Style1]

Style10

impostometro de Petrolina

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Publicidade

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Os laudos do estádio Paulo Coelho não foram apresentados na FPF (Foto: Emerson Rocha)


Pelo segundo ano consecutivo, a cidade de Petrolina, no sertão de Pernambuco, ficará sem representantes na Série A2 do Campeonato Estadual. A Federação Pernambucana de Futebol (FPF) divulgou no final da noite desta segunda-feira a lista dos dez clubes que vão participar da disputa. Para a surpresa dos torcedores, o Petrolina e o 1º de Maio não estão entre os postulantes ao acesso à elite do futebol estadual.

Diferente do ano passado, quando o Petrolina, por motivos financeiros, desistiu da Série A2, e o 1º de Maio estava sem a mínima estrutura, o que tirou as equipes da segundona de 2017 foi o estádio Paulo de Souza Coelho. De acordo com o diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, os clubes não apresentaram os laudos necessários para que a praça esportiva fosse utilizada durante a segundona.

– O estádio é primordial. Se você não tiver o estádio, não tem onde jogar. Se o clube indicou o estádio e não apresentou nem dois laudos dos quatro que são exigidos, até para jogar de portão fechado, não tem como jogar. Os clubes estão regulares perante a Federação, mas não têm onde jogar - afirma o dirigente.

Segundo Falcão, mesmo o estádio Paulo de Souza Coelho sendo do município, a responsabilidade por apresentar os laudos na FPF é dos clubes.


Murilo Falcão falou sobre a situação dos times de Petrolina (Foto: Rafael Bertanha / E aí? Produções)

– As reuniões começaram a ser feitas no final de abril. Então, desde o final de abril, que o Petrolina e o 1º de Maio têm ciência dos prazos do lado para poder entregar. Os clubes tiveram várias reuniões. Na verdade, a Federação não trata com a prefeitura, trata com os clubes e os clubes é que indicam o campo onde vão jogar; e o campo que eles vão jogar é o da cidade deles, e o estádio que tem aí [Petrolina] é o estádio municipal.

Em nota, a prefeitura de Petrolina, responsável pela administração do estádio, disse que desde o início do ano vem fazendo melhorias no local e que os laudos foram encaminhados a FPF na última semana.

Presidente do 1º de Maio, Josué Nascimento lamentou que o trabalho realizado para reestruturar a equipe este ano tenha sido em vão. Com elenco formado, o time já estava treinando para a Série A2.

– O 1º de Maio eu tenho certeza de uma coisa: não foi por falta de compromisso do presidente Josué, que sou eu. Estou triste, mas não posso falar muito. Só sei que minha parte eu fiz completamente. Comprei carro para viajar, tem 42 atletas que vou ter que dispensar metade, estou fazendo minha parte. Tento engrandecer o futebol do Vale do São Francisco, mas infelizmente somos atrapalhados por algumas coisas.

O Petrolina, que começou o ano cheio de promessas, anunciando a contratação do técnico Andrade e um acordo com o Flamengo que possibilitaria a vinda de jogadores da base do clube carioca, nos últimos meses mudou a estratégia. Andrade não veio e a parceria com o Flamengo nunca chegou a sair do papel. A diretoria da Fera Sertaneja disse que pretendia disputar o Pernambucano com a base da Juazeirense.

Com o estádio Paulo Coelho impossibilitado, o presidente do Petrolina, Cirineu Ribeiro, disse que a Federação Pernambucana poderia ter autorizado o uso do estádio Adauto Moraes, na cidade baiana de Juazeiro. O caso seria semelhante ao que aconteceu no ano passado, quando a Juazeirense mandou alguns jogos do Campeonato Baiano e da Copa do Nordeste em Petrolina.

A equipe do 1º de Maio já estava treinando para a Série A2 (Foto: Amanda Lima)


– A capital ela não favorece muito e não tem interesse em ver os times do inteiro na disputa. O que é que eu vejo: o estádio não é problema e poderia botar os jogos no estádio de Juazeiro, que praticamente é a mesma cidade, mas eles não têm interesse. A gente estava com trabalho muito bonito e ia colocar o time da Juazeirense, que ficou entre os quatro primeiros da Série D do Brasileiro e teríamos grandes chances de sermos campeões.

Segundo Murilo Falcão, a CBF, desde o início do ano, proibiu que os clubes mandassem seus jogos longe do seu estado de origem. Por isso, a solicitação do Petrolina não foi aceita.

– Juazeiro fica na Bahia, não tem como. No começo do ano a CBF proibiu qualquer jogo em outro estado. Está no regulamento geral da CBF e eu não posso descumprir. Vão alegar que no ano retrasado a Juazeirense jogou [A juazeirense jogou em Petrolina em 2016]. No ano retrasado podia, desde que a Federação local permitisse. O clube tinha que entrar em contato com a Federação Baiana, a Federação Baiana autorizar, mas esse ano não pode mais.

Sem os clubes petrolinenses, o Sertão pernambucano fica sem representantes na Série A2. O Araripina, outra equipe da região que poderia participar do Campeonato, anunciou no início do ano que estava fora da disputa, assim como em 2016. As informações são do Emerson Rocha / GloboEsporte / Petrolina.





Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

Recomendados Para Você