Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Familiares de alunos de escola na Flórida esperam por notícias do tiroteio (Foto: AP Photo/Joel Auerbach)

Um atirador foi detido nesta quarta-feira (14) após deixar mortos e feridos em uma escola em Parkland, na Flórida. O xerife do condado de Broward, Scott Israel, disse que 17 pessoas morreram.

Consultada pelo G1, a assessoria de imprensa do Itamaraty informou que o Consulado-Geral do Brasil na Flórida disse que não há informações sobre as nacionalidades das vítimas, mas que entre os brasileiros dos quais o consulado tem conhecimento estão todos bem.

Vítimas confirmadas

Segundo Israel, 12 pessoas foram mortas dentro da escola; duas vítimas morreram fora do prédio; uma morreu em uma rua próxima e 2 morreram no hospital. Além deles, o hospital recebeu mais seis pacientes, sendo que três estão em condição crítica e três, em condição estável. O suspeito do tiroteio também foi levado ao hospital, sob custódia da polícia.

O atirador foi identificado como Nikolaus Cruz, um ex-aluno da Stoneman Douglas High School. Ele tem 19 anos e, segundo as autoridades, tinha sido expulso da escola por motivos disciplinares. Cruz portava um rifle AR-15 e agiu sozinho.

Imagem aérea mostra o suspeito do tiroteio na escola Marjory Stoneman Douglas High School, na Flórida, nesta quarta-feira (Foto: WSVN.com via Reuters)

Um alarme de incêndio foi disparado por volta das 14h30, pouco antes do final das aulas, e os tiros começaram em seguida.

O jornal "Miami Herald" conversou com professores e alunos que conhecem Cruz e dizem que ele era considerado uma pessoa problemática, que ameaçava colegas e não tinha autorização para entrar no prédio portando mochilas. Segundo o professor de matemática Jim Gard, o jovem chegou a receber uma solicitação para deixar o local no ano passado.

Reação da Casa Branca

A Casa Branca informou que o presidente Donald Trump foi comunicado rapidamente sobre o caso. O presidente postou uma mensagem sobre o assunto no Twitter. "Nenhuma criança, professor ou qualquer outra pessoa jamais deveria se sentir insegura em uma escola americana", escreveu.

Área isolada

A polícia de Coral Springs está pedindo que as pessoas continuem evitando a região da Marjory Stoneman Douglas High School. Um hotel nas proximidades foi usado como ponto de encontro entre alunos e seus pais.

Imagens de TV mostraram mais cedo diversos estudantes deixando o prédio, escoltados por agentes da SWAT. Agentes do FBI também estão no local.

Um esquadrão anti-bombas está vasculhando a escola como medida de precaução. Segundo a CNN, os examinadores e policiais só terão acesso à escola depois que essa varredura termine, Parkland fica a cerca de 24 km a oeste de Fort Lauderdale. As informações são do G1.


Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

Recomendados Para Você