Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

(Foto: Mohammad Ismail/ Reuters)

Uma explosão de uma "ambulância-bomba" na manhã deste sábado (27) deixou 95 mortos e 158 feridos, de acordo com o Ministério da Saúde afegão. O Talibã reivindicou a autoria deste atentado, que já é considerado um dos mais violentos dos últimos anos na cidade.

"O último balanço que temos é de 63 mortos e 151 feridos. Pode aumentar porque alguns feridos hospitalizados estão em condição crítica", advertiu Baryalai Hilali, diretor de comunicação do governo.

O alvo exato dos terroristas ainda não está claro. Um edifício próximo ao hospital Jamuriat foi afetado e ameaçava desabar.

"O suicida usou uma ambulância para passar pelos postos de controle. No 1º controle disse que transportava um paciente para o hospital Jamuriat. No segundo posto de controle, foi identificado e detonou os explosivos", explicou à AFP Nasrat Rahimi, porta-voz do ministério do Interior.

No bairro onde ocorreu a explosão estão prédios governamentais (entre eles os escritórios do Ministério do Interior afegão), além de embaixadas estrangeiras e os da União Europeia.

O Alto Conselho da Paz, responsável pelas negociações com os talibãs (atualmente bloqueadas), também fica na região. A área estava movimentada no momento do ataque, ocorrido por volta das 12h45 (horário local), já que sábado é um dia útil no país. Apenas o hospital da ONG italiana Emergengy contabilizou sete mortos e 70 feridos.

O atentado foi reivindicado pelo porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, no WhatsApp: "Um mártir explodiu seu carro-bomba perto do ministério do Interior, onde estavam muitas forças policiais", segundo a France Presse.

A explosão foi tão potente que abalou a capital afegã e deixou vários estabelecimentos com as janelas quebradas em bairros próximos. As janelas do escritório da AFP, que fica a quase 2 km, tremeram e os vidros da "Chicken Street", a rua dos antiquários, a centenas de metros do local do atentado, quebraram.

 (Foto: Wakil Kohsar / AFP)

No Twitter da ONG, o coordenador da Emergency, Dejan Panic, afirmou: "É um massacre".

O medo de um atentado executado com ambulância era real, segundo a France Presse. Uma correspondente da AFP que passou pela rua uma hora antes da explosão observou como todas as ambulâncias que seguiam para o hospital Jamuriat eram inspecionadas, com os motoristas do lado de fora do veículo.

O nível de alerta é elevado em Cabul, principalmente no centro e no bairro das embaixadas e das instituições estrangeiras.

Esse ataque acontece uma semana após o cerco do grupo terrorista Talibã ao Hotel Intercontinental da capital afegã, que terminou com 25 mortos (13 estrangeiros), de acordo com a última estimativa divulgada pelo governo do Afeganistão. No cerco que durou mais de 12 horas, cinco terroristas morreram no confronto com as forças de segurança.

Na quarta-feira (24), um grupo de terroristas do Estado Islâmico realizou um ataque contra a sede da organização não governamental Save the Children, em Jalalabad, capital da província de Nangarhar, deixando três mortos e 24 feridos. As informações são do G1.


Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário