Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Hospital da Restauração fica no bairro do Derby, na área central do Recife (Foto: Marina Meireles/G1)

Um pai e uma madrasta foram presos, na quarta-feira (20), sob suspeita de espancamento e tortura de uma criança de 6 anos. De acordo com a Polícia Civil, o caso ocorreu no Centro de Ipojuca, no Grande Recife. O Conselho Tutelar do município informou que a garota sofreu uma lesão interna no olho e apresentava hematomas, marcas de mordidas e cicatrizes no corpo.

Em depoimento aos conselheiros tutelares, a menina disse que apanhou da madrasta na cabeça com martelo de bater carne e cabos de faca. A garota está internada no Hospital da Restauração (HR), no Derby, na área central do Recife.

De acordo com a unidade hospitalar, a criança foi medicada, passou por vários exames. Ela segue em observação na emergência pediátrica do hospital, com estado de saúde estável.

O caso foi descoberto pelo Conselho Tutelar do Ipojuca, onde a família reside. A entidade recebeu uma denúnia anônima sobre os maus-tratos, na noite da terça-feira (19).

Os presos devem ser encaminhados para audiência de custódia nesta quinta-feira (21). O caso vai ficar sob responsabilidade da delegacia da cidade.

Investigação

Segundo uma conselheira tutelar que preferiu não ser identificada, o autor da denúncia não sabia o endereço da família. Informou apenas que a criança estudava em uma instituição no Centro. Segundo ela, a pessoa disse, ainda, que o pai e a madrasta estavam escondendo a menina em casa por causa dos hematomas, que já estavam muito aparentes.

"Nos disseram que ela apareceu com o olho machucado e eles diziam que era conjutivite. Mas os hematomas estavam cada vez mais fortes e eles enconderam a criança em casa", afirmou a conselheira tutelar.

Quando os conselheiros foram até a escola, na manhã da quuarta-feira (20), encontraram, por acaso, com a mãe da criança. A mulher mora no município de Sirinhaém, no Litoral Sul do estado.

"Ela nos contou que o pai da menina havia ligado para ela no dia anterior e pedido para que ela fosse buscar a criança na parada de ônibus, pois a menina voltaria a morar com ela em Sirinhaém", contou a conselheira.

A conselheira relatou também que a mãe da criança alegou ter notado os hematomas no corpo da menina e perguntado ao pai o que teria acontecido.

"Ele disse para a mãe da menina que ela havia se machucado em brincadeiras na escola. Foi quando a mãe foi até o colégio, atrás de informações sobre o suposto acidente, e nós encontramos com ela e a criança", contou a conselheira tutelar.

Espancamento

Em depoimento ao Conselho Tutelar, a criança disse que apanhava sempre que a madrasta estava com raiva de alguma coisa. Segundo a conselheira, a garota disse que o pai não batia nela, mas sabia de toda a situação.

"A madrasta também ameaçava ela, dizendo que, se contasse algo, iria matá-la. E o pai foi conivente com tudo isso", declarou a conselheira.

"É um caso muito preocupante. A lesão do olho é grave e nosso medo é de que ela possa até perder a visão. Ela também tinha muitas cicatrizes que já sararam. Isso significa que o espacamento pode acontecer há muito tempo", afirma.

O Conselho Tutelar de Ipojuca está em contato com a entidade no município de Sirinhaém, para avaliar se a criança deve voltar a morar com a mãe. As informações são do G1 PE.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário