Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Trump, na Casa Branca - REUTERS/Jonathan Ernst


O secretário da Justiça dos Estados Unidos, Jeff Sessions, foi demitido nesta quarta-feira após críticas incessantes do presidente Donald Trump sobre investigações sobre o papel da Rússia na eleição presidencial de 2016.

A saída de Sessions era amplamente esperada após as eleições parlamentares de terça-feira, em que os republicanos detiveram sua maioria no Senado, mas perderam controle da Câmara dos Deputados.

Nunca na história moderna um presidente atacou tão frequentemente e duramente um membro de seu gabinete como Trump fez contra Sessions, de 71 anos, que foi um dos primeiros membros do Congresso a apoiar sua campanha presidencial em 2015.

Trump anunciou a saída de Sessions no Twitter e o agradeceu por seus serviços. Sessions disse em uma carta a Trump que renunciou a pedido do presidente. O chefe de gabinete de Sessions, Matthew Whitaker, assume interinamente como advogado-geral, disse Trump no Twitter.


Sessions deixa o cargo de principal agente garantidor da lei do país enquanto o assessor especial Robert Mueller, operando sob o Departamento de Justiça, busca uma ampla investigação sobre a Rússia que já rendeu uma série de acusações criminais contra diversos aliados de Trump e atrapalhou sua presidência.

Em uma coluna de opinião escrita para a CNN em agosto de 2017 enquanto atuava como comentarista do canal de televisão, Whitaker, um ex-advogado dos EUA, disse que Mueller estaria ultrapassando uma linha se investigasse as finanças familiares de Trump.

Republicanos haviam pedido repetidamente a Trump que não tirasse Sessions, um ex-senador conservador republicano do Alabama, antes que as eleições criassem um impacto político. As informações são da Reuters.


Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário