Tiroteios em Viena, na Áustria, deixam mortos e feridos; primeiro-ministro fala em 'ataque terrorista'

Foto: REUTERS/Lisi Niesner


Uma série de tiroteios perto de uma sinagoga em Viena, capital da Áustria, matou duas pessoas e deixou vários feridos nesta segunda-feira (2). Segundo a polícia local, um desses mortos era considerado suspeito pela polícia. O primeiro-ministro austríaco, Sebastian Kurz, classificou a ação como um ataque terrorista.

Segundo a polícia de Viena, os tiroteios começaram por volta das 20h (horário local, 16h em Brasília) nas imediações da rua Seitenstettengasse — os policiais disseram, ainda, que as trocas de tiros ocorreram em seis lugares diferentes. Ainda de acordo com as autoridades locais, mais de uma pessoa participou da ação – os criminosos estariam armados com fuzis.

O Ministério do Interior disse que ao menos uma pessoa foi presa. Também segundo o governo, 15 pessoas precisaram de atendimento em hospitais da cidade.

Não havia, até a última atualização desta reportagem, informação sobre identidade dos mortos ou dos detidos. As autoridades também não descartam haver mais vítimas.

Nas redes sociais, a polícia de Viena pediu que as pessoas permanecessem em casa porque, até as 18h51 (horário de Brasília), a operação de busca ainda estava em andamento. O sistema público de transporte foi interrompido.

Pelas redes sociais, o primeiro-ministro Kurz disse que o país tem passado por "tempos difíceis". "Nossa polícia tomará medidas importantes contra os criminosos que participaram desse ataque terrorista repulsivo", escreveu.

"Fico feliz que nossos policiais tenham conseguido eliminar um criminoso", disse Kurz.

O primeiro-ministro anunciou também que as Forças Armadas da Áustria tomarão o lugar da Polícia de Viena na proteção ao patrimônio. "Todo o país pensa nas vítimas, nos feridos e na suas famílias, a quem expresso minhas mais profundas condolências", completa a mensagem.

Os tiroteios ocorreram perto de uma sinagoga de Viena. Oskar Deutsch, um dos representantes da comunidade judaica na Áustria, disse nas redes sociais não saber ainda se o templo era o alvo do ataque — segundo ele, o local estava fechado no momento da ação.

Em entrevista à agência Associated Press, o rabino Schlomo Hofmeister disse que viu ao menos uma pessoa atirar em direção às pessoas sentadas do lado de fora de bares da região. Esta é a última noite antes de um lockdown na Áustria para conter o avanço do novo coronavírus.

"Eles estavam atiraram ao menos 100 vezes bem do lado de fora do nosso prédio", relatou o rabino.

Ainda não se sabe o motivo do ataque e se há relação com outros recentes atentados como os cometidos na França — por exemplo, na semana passada, três pessoas morreram em uma ação terrorista em Nice. Essas informações são do G1.

Postar um comentário

0 Comentários