'É uma dor que não tem nome', diz mãe da menina Beatriz Angélica, assassinada há cinco anos em Petrolina (PE)

Foto: Arquivo pessoal / Família


Quem matou a menina Beatriz Angélica? Nesta quinta-feira, 10 de dezembro, completa cinco anos do assassinato brutal da garotinha de 7 anos, que na noite do crime estava com os pais, acompanhando a festa de formatura da irmã mais velha, em um colégio particular de Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Desde então, a resposta para a pergunta que inicia esse texto tem sido aguardada pelos familiares, amigos, vizinhos, imprensa… todos que, de alguma maneira, ficaram espantados com a crueldade com que a vida da criança foi interrompida.

Beatriz Angélica Mota Ferreira da Silva foi encontrada morta, dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, com 42 marcas de facada no corpo. Até o momento, cinco anos depois, ninguém foi preso e a motivação do crime ainda é desconhecida. Os pais da menina, Lúcia Mota e Sandro Romilton Ferreira da Silva, além da dor de ter perdido a filha, convivem com a falta de respostas que ajudem a solucionar o crime.

“É uma dor que não tem nome. Para mim, o dia 10 de dezembro é todos os dias. Uma ferida que é cutucada todos os dias”, afirma a mãe de Beatriz.

“A dor é constante. A gente não ter uma resposta, não saber o que aconteceu, quem são os culpados. A injustiça ela também dói ”, completa o pai da menina.

A busca por justiça se tornou um mote na vida de Lúcia e Sandro. Nesses cinco anos, os pais de Beatriz participaram de várias manifestações em Petrolina, Juazeiro, cidade vizinha que fica na Bahia, e em Recife. Este ano, por causa da pandemia da Covid-19, a mãe da menina tem feito lives na rede social, para continuar chamando a atenção da sociedade para o crime. “Isso tem dado uma grande repercussão. São cinco anos, todos os dias, todos os meses, a gente gritando, lutando por justiça”.

Em 2018 e neste ano, a mãe de Beatriz concorreu aos cargos de deputada estadual e vereadora de Petrolina, pelo PSOL, mas não foi eleita. Na eleição estadual, ela teve 16.326 votos. No pleito municipal, foram 2.656 votos. Segundo Lúcia Mota, a entrada na política foi uma forma de poder ter mais força para cobrar a resolução de casos como o da filha.

“A política ela veio para ajudar, não que diretamente, porque compete à Polícia Civil de Pernambuco investigar e solucionar, mas indiretamente, em influência, de fortalecer o nosso pedido de luta, não só por Beatriz, mas por todas as ‘Beatrizes’ do estado de Pernambuco”.    A matéria completa no G1 Petrolina.

Postar um comentário

0 Comentários