Martine e Kahena se tornam bicampeãs olímpicas na vela

Foto: CARLOS BARRIA/REUTERS

Martine Grael e Kahena Kunze são bicampeãs olímpicas na vela! A dupla fez história ao terminar a medal race da classe 49er FX, nesta terça-feira (3), na 3ª colocação. Com o resultado, elas superaram todas as rivais na disputa total e conquistaram o ouro em Tóquio 2020, repetindo o que fizeram no Rio, em 2016.

O ouro delas é a 19ª medalha da vela brasileira na história dos Jogos Olímpicos, sendo a 9ª apenas da família Grael. Até agora, foram oito ouros, três pratas e oito bronzes. É o esporte que mais rendeu medalhas de ouro ao país no evento.

Chegando na regata decisiva empatadas com as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz e pouco à frente de Alemanha, Espanha e Grã Bretanha, as brasileiras surpreenderam e, enquanto as outras competidoras formaram um pelotão, elas foram para o outro lado, buscando uma corrente de vento mais forte.

A estratégia deu certo e elas logo se colocaram entre as primeiras colocadas, na frente de todas as concorrentes ao título. Aí foi só administrar. Com o 3º lugar, atrás de Argentina e Noruega, elas ficaram bem na frente das holandesas, que encerraram na 9ª colocação e foram bronze. As alemãs Tina Lutz e Susann Beucke fecharam na 5ª posição e ficaram com a prata.

Carreiras recheadas de conquistas
As brasileiras chegaram ao Japão com status de favoritas e mantiveram a regularidade durante toda a semana, para escrever mais um capítulo da vitoriosa parceria.

Martine é filha do bicampeão olímpico Torben Grael, e começou a velejar com quatro anos de idade pelo Rio Yacht Club. Kahena também é filha de um velejador campeão mundial, Claudio Künze. Elas se conheceram no início da adolescência, aos 13 anos, e começaram a participar de competições em barcos diferentes.

Depois de conseguirem o ouro em 2016, foram vice-campeãs mundiais em 2017, repetindo o feito de 2013 e 2015. Venceram o Campeonato Mundial de Classes Olímpicas em Aarhus, na Dinamarca, em 2018, e com isso se classificaram para Olimpíada de Tóquio-2020. Tudo isso mesmo com as duas afastadas da 49erFX por uma temporada para que Martine competisse na Volvo Ocean Race.

Já em 2019, elas venceram a etapa da Copa do Mundo disputada em Miami e, no mesmo ano, foram campeãs dos Jogos Pan-Americanos de Lima. No ano seguinte, a dupla foi vencedora do evento-teste que aconteceu em Tóquio, antes do início da pandemia.

Veja os resultados de Martine e Kahena na classe 49er FX da Olimpíada de Tóquio:

Regata 1 - 27 de julho: 15º lugar (descarte)
Regata 2 - 27 de julho: 5º lugar
Regata 3 - 27 de julho: 1º lugar
Regata 4 - 28 de julho: 10º lugar
Regata 5 - 28 de julho: 7º lugar
Regata 6 - 28 de julho: 6º lugar
Regata 7 - 30 de julho: 1º lugar
Regata 8 - 30 de julho: 6º lugar
Regata 9 - 30 de julho: 10º lugar
Regata 10 - 31 de julho: 12º lugar
Regata 11 - 31 de julho: 2º lugar
Regata 12 - 31 de julho: 10º lugar
Regata 13 (final) - 3 de agosto: 3º lugar

Classificação final

OURO: Brasil - Grael/Kunze: -76 pontos*
PRATA: Alemanha - 83 pontos
BRONZE: Holanda - 88 pontos

*Na vela, o primeiro colocado de uma regata perde um ponto, o segundo perde dois, e assim sucessivamente. Quem perder menos pontos fica em primeiro lugar na classificação final.

Essas informações são do R7

Postar um comentário

0 Comentários