‘Foi querer ajudar e acabou morto’, diz sogra de soldado da BA que foi confundido com criminoso e morto pela Polícia Civil de PE

Despedida do soldado baiano Joanilson da Silva no Cemitério Campo da Esperança em Petrolina — Foto: Juliane Peixinho/ G1


O corpo do soldado Joanilson da Silva Amorim, morto na noite de segunda-feira (13) por engano durante uma operação da Polícia Civil em Pernambuco, foi enterrado no final da tarde desta terça-feira (14) em Petrolina, no Sertão pernambucano. Familiares, amigos e policiais militares e civis de Pernambuco e da Bahia foram o Cemitério Campo da Esperança se despedir do policial militar.

Consternados, amigos de farda carregaram o caixão que levava o corpo do soldado até o carro funerário. Depois, eles seguiram em cortejo fúnebre. No cemitério Campo da Esperança, antes do sepultamento, foi realizada uma salva de tiros e um momento de orações e homenagens.

Joanilson da Silva Amorim tinha 32 anos e sete anos de corporação. "A passagem dele foi exemplar nesses sete anos na nossa PMBA. Trabalhou em Jacobina e Juazeiro, onde fez um excelente trabalho e era querido por todos. Infelizmente houve esse mal entendido, mas o fato será apurado com todo equilíbrio e isso que a gente aguarda. Temos certeza que a Polícia Civil de Pernambuco vai buscar todos os meios e toda lisura para que chegue a situação real do fato", disse o comandante de policiamento da região norte da Bahia, coronel Valter Araújo.

O soldado deixou a esposa e uma filha, de três anos. A sogra Evanilde Pereira da Silva, declarou que o genro era um bom profissional e que a família está devastada com seu falecimento. "Foi um choque muito grande para todos nós. Até agora não caiu a ficha. Ele era uma pessoa maravilhosa, cidadão de bem, fazia o trabalho dele direitinho. Estamos muito arrasados. É uma injustiça, foi uma coisa violenta. Ele foi querer ajudar e acabou morto, e o que é pior pela própria polícia".

A Polícia Civil de Pernambuco (PC-PE) informou que abriu inquérito para investigar a morte do policial militar da Bahia. Segundo a nota da PC, “nessa ocorrência, um homem de camisa em cor semelhante à do sujeito perseguido apareceu armado, sendo confundido e alvejado, em situação característica de legítima defesa putativa, quando há a percepção de risco iminente”. [Leia nota na íntegra ao final da reportagem].

Entenda o caso

Policial militar da Bahia é morto em ação da Polícia Civil em Pernambuco — Foto: Reprodução/Redes Sociais


Joanilson estava de folga, na casa dele que fica no bairro Jardim São Paulo, quando vizinhos o chamaram a para ajudar a prender suspeitos de assalto. Ao sair de casa, policiais civis teriam confundido Joanilson com um dos criminosos. Ele foi baleado na cabeça, no braço e na perna. O PM chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Universitário de Petrolina, mas não resistiu.

Nota da Polícia Civil de Pernambuco

A Polícia Civil de Pernambuco informa que registrou uma morte em consequência de operação policial de repressão ao narcotráfico na cidade de Petrolina, início da noite de ontem 13). Na ocasião, estava em curso ação da 12a Delegacia de Repressão ao Narcotráfico-Petrolina, quando foram presas duas pessoas e apreendida uma moto roubada e uma pistola calibre 9mm com numeração suprimida.

Nessa ocorrência, um homem de camisa em cor semelhante à do sujeito perseguido apareceu armado, sendo confundido e alvejado, em situação característica de legítima defesa putativa, quando há a percepção de risco iminente.

De imediato, ele foi socorrido e encaminhado pelo Samu para o Hospital de Traumas, mas, infelizmente, não resistiu ao ferimento. Na checagem da identidade, foi constatado se tratar do soldado Joanilson da Silva Amorim, de 33 anos, integrante da Polícia Militar da Bahia, que estava à paisana. Um inquérito foi instaurado para investigar não apenas os suspeitos presos, mas as circunstâncias da operação que levaram ao óbito. Um delegado foi especialmente designado para apurar os fatos com rigor e isenção. Além disso, a Corregedoria Geral da SDS também foi acionada e abriu investigação preliminar para investigar a atuação policial no âmbito disciplinar.

É importante ressaltar que a Polícia Civil de Pernambuco é uma polícia técnica e que busca sempre a preservação da vida. Um levantamento do Pacto pela Vida mostrou que, desde 2007, a Polícia Civil desencadeou 563 Operações de Repressão Qualificada, resultando em 6.385 prisões. Em nenhuma dessas operações, que envolvem planejamento, uso da inteligência policial, maior efetivo e recursos, houve confrontos tampouco mortes de policiais ou suspeitos.

Essas informações são do G1 Petrolina

Postar um comentário

0 Comentários