Slider[Style1]

Style10

impostometro de Petrolina

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Publicidade

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

(Imagem: Pixabay / engin akyurt)


Para a psicologia, luto é sequência natural à morte e não necessariamente se trata de superação ou esquecimento, e sim de adaptação às novas condições de vida.
Anualmente lembrado em 2 de novembro, o Dia de Finados tem como objetivo relembrar a memória dos mortos e de pessoas queridas que já se foram. No Brasil, na data acontecem visitas a túmulos de parentes e amigos falecidos, que são homenageados com flores, velas e/ou orações, em clima de respeito, reflexão pela vida e saudade.

Segundo Sigmund Freud, considerado o grande nome da psicanálise de todos os tempos, o luto tem como característica o conjunto de reações psicológicas, conscientes ou não, que o indivíduo vivência logo após uma situação de perda. A psicologia atual entende que esta sequência é natural e não necessariamente se trata de superação ou esquecimento, e sim de adaptação às novas condições de vida.

O luto, normalmente, está relacionado à morte, porém, na ciência é visto como provocado por qualquer interrupção emocional forte que promova tristeza profunda e período de desolação, seja pela morte de um ente querido, um divórcio ou alguém próximo que foi morar longe. O processo é dividido em cinco fases e a maioria das pessoas irão desenvolver pelo menos dois estágios e não necessariamente seguindo uma ordem: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação.

Segundo Lívia Vieira, psicóloga do Hapvida Saúde, o período mais preocupante é a depressão, quando a pessoa toma consciência da perda. Em alguns casos, não é recomendável passar pela situação sozinho. “Os familiares e amigos são essenciais para o estágio de readaptação para dar suporte emocional, ficar ao lado de quem sofre a perda e perceber a necessidade de iniciar um tratamento psicológico”, comenta a psicóloga.

Independente da fase do luto, a terapia atua de forma indispensável como ferramenta de reorganização psicológica para dar suporte ao paciente superar o sofrimento. A partir do tratamento, é possível compreender como lidar com seus sentimentos, novos conflitos e que não há certo ou errado na forma como se encara a vida ou expressa a dor. “Por ser uma experiência individual, o processo do luto não possui duração estabelecida. Pode levar um ano, décadas ou nunca encerrar o ciclo. Aprender a lidar com cada fase é necessário para ter forças e se readequar à nova vida, para seguir em frente”, explica Lívia.

Entenda as fases do luto:


• Negação: não conseguir aceitar a perda e recusar a acreditar no acontecimento.

• Raiva: ainda não houve aceitação da perda e começam questionamentos, como, por exemplo, “por que comigo?”.

• Negociação: o fato ainda não é considerado como consumado. A pessoa busca uma forma para as coisas voltaram a ser como antes.

• Depressão: fase crítica e delicada, em que começa o entendimento da perda e a percepção de que não será como antes. Sensação de perda imediata de sonhos, projetos, mudanças e insistente lembranças associadas à pessoa.

• Aceitação: ciclo final do processo de luto. Não há mais amargura, angústia ou negação. A perda recebe outro olhar para ser aceita com mais tranquilidade e equilíbrio. As informações são do Noticias ao Minuto.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

Recomendados Para Você