Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Pistolas calibre ponto 40, 67 munições, carregadores e drogas foram apreendidos em penitenciária de segurança máxima, em Itamaracá — Foto: Seres/Divulgação

O número de armas de fogo apreendidas em unidades do sistema penitenciário de Pernambuco, entre janeiro e agosto de 2019, aumentou 7,2%, em relação ao mesmo período de 2018. Segundo a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), este ano, foram encontrados 59 armamentos, contra 55 no ano passado.

A cada mês, em média, sete armas são retiradas dos presídios do estado. O balanço foi divulgado, nesta sexta-feira (31), depois de uma revista realizada na Penitenciária de Segurança Máxima Professor Barreto Campelo, em Itamaracá, no Grande Recife.

Durante a ação, na quinta-feira (29), os agentes apreenderam duas pistolas de calibre ponto 40. A revista foi feita um dia depois de uma confusão que resultou na morte de um detento, na tarde de quarta-feira (28).

O homem foi morto com um tiro, após uma tentativa de rebelião. Uma sindicância foi aberta para apurar as circunstâncias do crime.

Na operação, os agentes apreenderam 67 munições, sendo 54 de calibre ponto 40 e 13 de calibre 38, e três carregadores. Também foram encontradas armas brancas e drogas.

Segundo a Seres, entre as armas estavam seis facas industriais. Na ação, os agentes penitenciários apreenderam, ainda, três celulares, dois carregadores de telefone, dois fones, além de um modem para telefonia móvel.

A secretaria informou que encontrou maconha e crack. As armas e as drogas foram encaminhadas para a delegacia da cidade.

Além dos agentes penitenciários, participaram da ação integrantes da Gerência de Operações e Segurança (GOS), Superintendência de Segurança Penitenciária (SSP) e Gerência de Inteligência e Segurança Orgânica (Giso). A Polícia Militar deu apoio com homens do Batalhão de Choque, Bope e Radiopatrulha.

Números

Dados apresentados em abril deste ano apontaram que Pernambuco tinha a maior superlotação carcerária do Brasil. Isso significava que havia o maior número de presos proporcionalmente ao número de vagas.

Eram 11.767 lugares nas 23 unidades prisionais, onde estavam 32.781 presos em regime fechado. Considerando todos os regimes, havia 40.190 detentos.

Os números fizeram parte de um levantamento feito pelo Monitor da Violência. O trabalho é uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Crime

No dia da morte do detento, o secretário de Justiça de Pernambuco, Pedro Eurico, disse que os detentos se negaram a comer e tentaram fazer uma rebelião. O gestor disse que uma investigação foi aberta para esclarecer de onde partiu o disparo de arma de fogo.

De acordo com ele, há informação de que o tiro pode ter partido do alto Ainda de acordo com o governo, o princípio de tumulto ocorreu na tarde desta quarta. A Seres informou que a confusão foi contida por agentes penitenciários.

Até o início de julho, segundo a Seres, sete presos tinham sido mortos em unidades prisionais de Pernambuco. Na Barreto Campelo, ocorreram três casos.

Outro caso

No dia 8 de julho, um detento foi morto a tiros, na Barreto Campelo. A morte ocorreu após um desentendimento com outro preso, que estava armado com um revólver calibre 38 e disparou contra a vítima.

Segundo a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), o detento tinha 31 anos e levou um tiro na barriga. O presidiário que atirou foi autuado em flagrante por homicídio. A arma do crime foi apreendida. As informações são do G1 PE.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário