Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Suspeitos estavam armados, segundo a polícia — Foto: Divulgação/BM

Sete suspeitos morreram em uma tentativa de assalto a bancos, na madrugada desta sexta-feira (6), em Paraí, na Serra do Rio Grande do Sul. Segundo a Brigada Militar, eles estavam armados com quatro espingardas calibre 12, uma metralhadora e duas pistolas. Nenhum policial ficou ferido.

A BM informou que três suspeitos estavam dentro do Banco do Brasil e outros quatro próximo ao Sicredi quando ocorreu o confronto. As agências ficam a 110 metros de distância uma da outra.

A polícia monitorava o grupo. As câmeras instaladas pela prefeitura na entrada da cidade ajudaram no monitoramento. Eles estavam em dois carros com placas de Porto Alegre. De acordo com a BM, um dos veículos havia sido roubado no dia 20 de fevereiro bairro Vila Jardim na capital e estava e tinha as placas clonadas.

Segundo o Comandante Geral da BM, coronel Rodrigo Mohr Picon, os homens começaram o confronto ao verem as equipes da polícia chegando.

"A polícia tinha informações através do trabalho de inteligência e tinha a área toda mobilizada de efetivo a partir dessas informações. Participaram o 4º batalhão de Caxias, a força tática do 3º batalhão de áreas turísticas de Bento Gonçalves e mais a área de inteligência do comando Serra", disse.

O comandante afirma que os policiais cumpriram a lei. "Cumprir a lei é utilizar os meios de formas progressiva e nunca o objetivo é matar. Mas quem escolhe o confronto é o criminoso, não a Brigada. Nós vamos para prender, mas se ele reagir e colocar em risco a vida de um policial ou de um terceiro, legalmente nós agimos. Quem escolhe o confronto e o final da ocorrência é o criminoso."

Alguns suspeitos estavam com touca ninja e três vestiam moletons com a identificação da Polícia Civil.

Um vendedor contou que percebeu uma movimentação estranha na noite. Ele mora há duas quadras de onde ocorreu o confronto. "Estava deitado e ouvi os tiros. Rapidamente os moradores começaram a se comunicar por whats. E quando cheguei na loja para trabalhar pela manhã estavam as marcas de tiros", disse.

Um carro que estava estacionado na frente foi atingido pelos disparos e diversas lojas tiveram os vidros quebrados.

O delegado Arthur Reguse afirmou que as vítimas ainda não foram identificadas.

"Preliminarmente não estão identificados, mas há uma possível informação que dois deles sejam oriundos de Guaporé", informou.

O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi acionado para desarmar explosivos que foram deixados nos bancos. Segundo a polícia, havia três artefatos na agência do Sicredi. No Banco do Brasil, ainda não havia informação. Cerca de nove quadras da cidade foram isoladas para trabalho da perícia.

Em Segredo, no Vale do Rio Pardo, um grupo invadiu uma agência bancária e explodiu um caixa eletrônico na madrugada desta sexta. Não há informações se os suspeitos conseguiram levar o dinheiro.

Cinco homens participaram do crime. Segundo a polícia, a quantidade de explosivos foi tão grande que o dinheiro pode ter sido queimado no momento da explosão. O local está isolado para que uma perícia seja feita.

Conforme as autoridades, a ação durou 15 minutos e os criminosos fugiram em direção a Lagoão, município vizinho, por uma estrada de chão batido. Até o momento, eles não foram localizados. As autoridades fazem buscas pela região.
As informações são de Samuel Vettori e Roger Ruffato, RBS TV e G1 RS.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário