Slider[Style1]

Style10

impostometro de Petrolina

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Publicidade

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Mãe de Juan Miguel (Foto: Juliana Peixoto/ G1)



Os brinquedos de Juan Miguel Soares Silva, de 4 anos, ainda estão espalhados no quintal de casa, e a família do menino tenta entender o que aconteceu. Ele é uma das vítimas do ataque em uma creche em Janaúba, Norte de Minas Gerais, onde o vigia do local jogou álcool nas crianças e nele mesmo e, em seguida, ateou fogo, na manhã desta quinta-feira (5).

A mãe de Juan Miguel conta que a principal característica do filho único era a alegria de viver. "Ele era alegre, brincalhão e gostava de brincar de bola. Ele dormia abraçadinho comigo", disse Jane Kelly da Silva Soares, que não conteve as lágrimas.

"Eu estava pensando em mudar ele de escola, porque a gente ia mudar de bairro. Eu acordei o Juan hoje cedo para deixá-lo na creche e depois já vi ele morto no hospital”, relatou a mãe.

Além de Juan Miguel, outras três crianças morreram no ataque ao Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, no Bairro Rio Novo. O vigia, Damião Soares dos Santos, de 50 anos, morreu no hospital algumas horas depois.

"Juan gostava de jogar bola, andar de bicicleta. Nós estávamos programando fazer um almoço aqui no Dia das Crianças e fazer um bolo para cantar os parabéns pra ele, porque não deu pra comemorar no dia do aniversário dele", afirmou a avó de Juan Miguel.

Ana Clara Ferreira Silva, outra vítima de 4 anos, estudava na creche havia dois anos e tinha um irmão gêmeo, Victor Hugo, e mais quatro irmãos. Três estavam na creche no momento do ataque e não sofreram queimaduras.

"A gente gostava de brincar de esconder e de cobra cega. Na televisão, a gente gostava de assistir Peppa Pig", disse Victor Hugo.

"Minha filha era muito especial, esperta. Era gente boa demais minha filhinha. A creche é aqui pertinho de casa, nós ouvimos o barulho e corremos pra lá", disse o pai das crianças Nelson de Jesus Silva.

Juan Pablo Cruz dos Santos, de 4 anos, também morreu no ataque. "Ele era um menino alegre. Nós escutamos falando no rádio que a creche que tinha pegado fogo era no Bairro Rio Novo. Meus dois sobrinhos estudavam lá, um morreu e o outro está ruim no hospital", disse Edna Pereira dos Santos, tia de Juan Pablo.

A quarta criança morta no incêndio é Luiz Davi Carlos Rodrigues, tamém de 4 anos.



Edna é tia de uma das crianças que morreu no ataque (Foto: Juliana Peixoto/ G1)

Feridos

De acordo com a assessoria do Hospital Regional de Janaúba, cerca de 40 pessoas foram atendidas pela unidade – 25 delas foram internadas com queimaduras e 15, que estavam em estado de choque, já foram liberadas.

Algumas vítimas estão sendo transferidas para hospitais de Montes Claros e Belo Horizonte.
Durante todo o dia, as famílias buscaram por notícias dos feridos no hospital de Janaúba. "A informação que recebi aqui é que ele inalou muita fumaça e pode ter tido queimadura interna, e deve ser transferido porque aqui está muito cheio. Ele estuda na escola há 3 anos e sempre foi tratado muito bem. A escola é muito boa", disse Edgar Antônio Nogueira, pai de uma criança de 5 anos.

A filha de Joana Dark Oliveira dos Santos é uma das crianças que ficou ferida no ataque e está internada. Joana foi avisada da tragédia por um amigo e diz que chegou à creche antes da menina ter sido socorrida. "Minha filha estava sentada, com falta de ar, acho que queimou por dentro; quase não saía voz. Peço que Deus dê vida e saúde pra ela", disse a mãe. As informações são do G1 Grande Minas.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

Recomendados Para Você