Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

(Foto: Reprodução)

Indícios de fraude detectadas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PE) provocaram uma mudança temporária no processo de solicitação de segunda via da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em Pernambuco. Com isso, o motorista só pode pedir esse documento com agendamento para fazer o atendimento de forma presencial e não apenas pela internet.

Segundo a determinação, que vai vigorar durante 30 dias, a princípio, os motoristas devem ir até a sede do Detran-PE, na Estrada do Barbalho, na Iputinga, na Zona Oeste do Recife. Outras opções são as unidades dos shoppings centers e circunscrições Regionais de Trânsito (Ciretrans), no interior.

Segundo o Detran-PE, essa decisão vai vigorar até o fim da implantação de sistemas de leitura biométrica e de identificação facial, que vão deixar mais rogoroso o procedimento de entrega dos documentos.

"Quem for fazer a retirada da segunda via para outra pessoa, por exemplo, terá que apresentar procuração reconhecida e também passar pelos sistemas biométricos”, afirmou o presidente do órgão, Charles Ribeiro.

O presidente do Detran-PE informou que foram instaurados 122 processos para investigar os inícios de fraude nas solicitações de segunda via de habilitação. Segundo o departamento, foi possível detectar falhas no sistema, o que permitia a apresentação do pedido pelo computador e a retirada do documento sem a devida comprovação.

Uma pessoa, podia, por exemplo, entrar no site e pedir a segunda via da carteira, mesmo sem precisar. Para isso, preenchia os campos obrigatórios com números de Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach) e de CPF, pagava o boleto no banco e ia até a unidade do Detran-PE indicada no ato da solicitação para fazer a retirada.

O problema aparecia no momento em que, em vez de colocar o CPF verdadeiro, o fraudador escrevia o número de outra pessoa. Assim, gerava um documento falso e passava a usar no comércio ou para pedir financiamentos.

O prejuízo ficava com o dono do CPF indicado na segunda via de habilitação, ou seja, no documento ”frio”. “Hoje, a carteira de motorista serve como documento para várias finalidades e tem grande aceitação. Por isso, vamos tornar o processo mais rigoroso”, justificou Ribeiro. As informações são do G1 PE.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário