Slider[Style1]

Style10

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style2

Style6

Style5[ImagesOnly]

Foto: pixabay.com/diego_torres

A volta das chuvas está dando alento para produtores do sertão de Pernambuco. Neste ano, as chuvas ficaram acima da média histórica do estado.

Um exemplo deste bom momento é o açude Serra Comprida, em Orocó, que voltou a oferecer irrigação para as plantações de cebola da região, algo que, segundo o agricultor Auricélio Silva dos Santos, não era visto há anos na região.

O criador Antônio Vieira relata que agora os animais já têm o que comer e, também, não passam mais sede.

A chuva acima da média trouxe um pequeno alívio para os produtores do município, depois de muita gente ter desistido da atividade rural.

Mesmo com a melhora, o cenário ainda não é o ideal, de acordo com o Monitor de Secas, uma ferramenta da Agência Nacional de Águas (ANA), que acompanha a situação do semiárido brasileiro, incluindo os estados do Nordeste e Minas Gerais.

A intensidade da seca é medida em 5 níveis: o mais severo é chamado de "excepcional" que, até março, atingiu parte do sertão de Pernambuco e do norte da Bahia. O mapa mais recente mostrou que o quadro mais grave acabou.

"Nós tivemos uma melhor distribuição das chuvas e também uma maior intensidade das chuvas nessas regiões. E isso causou a diminuição da intensidade da seca", explica a meteorologista da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) Aparecida Fernandes.

"Isso não quer dizer que a seca desapareceu. Os impactos da seca, de longo prazo, ainda permanecem em grande parte do Nordeste", continua Aparecida. As informações são do Globo Rural.

Sobre Petrolina News

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário